Instagram

Simpatia é quase amor

Por onde vamos? A concentração do bloco é na Praça General Osório, em Ipanema. Os foliões seguem pela Rua Teixeira de Mello, entram na Av. Vieira Souto e vão até o posto 10.

Ipanema, Zona Sul

2 de fevereiro (sábado) e 10 de fevereiro (domingo)

Desfile: Praça General Osório às 15 horas.

encontre nas redes:

Cores: amarelo e lilás

Desde o Carnaval de 1985 se ouve: “Alô burguesia de Ipanema, olha o SIMPATIA aí, gente!”, um grito de guerra irreverente que ecoa pelas ruas do bairro anunciando mais uma saída do “Simpatia é quase Amor” que desfila pela orla arrastando uma multidão calculada hoje em dia em cerca de 20 mil pessoas por desfile. O “Simpatia é Quase Amor” já nasceu com a benção do que há de melhor no samba, no Carnaval e na cultura carioca.

Seus padrinhos são os saudosos Dona Zica da Mangueira e Albino Pinheiro, fundador e comandante da Banda de Ipanema. O nome foi retirado de uma personagem do livro de Aldir Blanc, “Rua dos Artistas e Arredores” – Esmeraldo Simpatia é Quase Amor-, que era um fanfarrão, conquistador e simpático, aliás, como a cara do bloco. O Simpatia ou “Simpa”, apelido como é carinhosamente reconhecido, arrasta uma multidão pela praia de Ipanema. Suas cores (amarelo e lilás) foram escolhidas baseadas em duas versões: a primeira é que seria uma homenagem à embalagem do antiácido ENGOV, famoso por viver nos bolsos dos precavidos amantes dos excessos etílicos e “boteco-gastrônomicos” e a outra é que foram inspiradas nas cores de um biquíni que uma estonteante e legítima garota de Ipanema usava, passando exatamente na hora em que as cores estavam sendo escolhidas. Façam suas apostas!

Antes de levar o bloco para a rua, os simpáticos foliões escolhem o samba que será cantado na avenida nos ensaios em quadras particulares que funcionam como verdadeiros gritos de carnaval, tão concorridos como o próprio desfile. O último ensaio é um baile à fantasia com direito a banda e marchinhas de Carnaval.

galeria

clique na foto para ampliar

samba

Simpatia de Moraes

(Bil-Rait Buchecha, Guilherme Vargues, Manuela Trindade e Nina Rosa)

ver letra

Olha que coisa mais linda

Saindo da praça

É o Simpatia que vem e que passa

Doce balanço

A caminho de Iemanjá

A bateria sempre manda o seu recado

E o cachorro engarrafado

Hoje eu trouxe pra sambar

 

Saravá, Mestre Penha

Qual a bossa do momento?

Olha o toque do agogô

Vem garota de Ipanema

Poetinha, tô atento!

Simpatia é quase amor

 

É melhor… ser alegre que ser triste

Carnaval… poesia que resiste

Com o piano que subiu pro além

Tá o branco mais preto

Que outras terras não têm

Eu sou você, o samba é nosso

E de quem vier compor

Os cem anos desse filho de Xangô

ô, ô, ô…

Caí nos braços de Orfeu

De amarelo e lilás

Hoje sou eu e Vinicius de Moraes

camiseta

personalidades e causos

O autor e jornalista João Pimentel, mais conhecido na boêmia carioca como Janjão cita em seu livro “Blocos” (Ed. Dumara, 2002) um trecho de um samba feito pelo saudoso Bussunda que não chegou a ser apresentado em quadra, mas que fazia uma sátira às gatinhas balzaquianas do bloco:

Acor... ler mais

O autor e jornalista João Pimentel, mais conhecido na boêmia carioca como Janjão cita em seu livro “Blocos” (Ed. Dumara, 2002) um trecho de um samba feito pelo saudoso Bussunda que não chegou a ser apresentado em quadra, mas que fazia uma sátira às gatinhas balzaquianas do bloco:

Acordei animado para sair no Simpatia
mas as mulher desse bloco têm idade para ser minha tia
como dizia Balzac tem veterano que é craque
eu vou cair na folia…

Bussunda foi eleito, consagrado e nomeado Rei Momo do bloco. Na verdade, a intenção da moçada era lançá-lo Rei Momo do Carnaval carioca. Afinal, todos o achavam talhado para o cargo: além das proporções avantajadas, atributo fundamental para quem ocupa o cargo de soberano do Carnaval, nenhum outro representava tão bem o espírito carioca, com o humor, a generosidade e a simpatia de sua figura. Mas concorrer ao cargo dava trabalho. Assim, a melhor solução foi elegê-lo rei Momo do bloco.

Seu primeiro desfile na nobre função foi no Carnaval da lata, em 1989. O Simpatia mandou fazer uma fantasia especial, com coroa e tudo. Só que, no lugar do tradicional cedro, Bussunda carregava um “baseadão”, em alusão ao conteúdo das famosas latas que fizeram a alegria da rapaziada naquele histórico verão. Para homenagear o humorista falecido em 2006, no carnaval do ano seguinte o bloco saiu com sua bateria fantasiada de “Marrentinho”, o personagem que o amigo Bussunda criou na televisão.

O Simpatia é Quase Amor sai duas vezes no Carnaval. Desfila no sábado anterior ao carnaval e no domingo de carnaval repete a dose. Sempre saindo da Praça General Osório em direção a praia de Ipanema Sua bateria é famosa, comandada por Mestre Penha, e conta com mais de 60 ritmistas, número considerável em se tratando de um bloco.